ADAB alerta sobre os prejuízos causados pela ‘mosca dos estábulos’

A Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (ADAB) está alertando os produtores rurais sobre os problemas trazidos pela “mosca dos estábulos” ou “mosca da vinhaça” (Stomoxys calcitrans), que é responsável por causar grandes prejuízos econômicos para a pecuária bovina e sucroalcooleira em alguns estados do Brasil.

Essa mosca é semelhante à mosca comum, mas se alimenta do sangue de animais de criação, podendo atacar até mesmo o homem. Esses insetos voam por um raio de até 5 km, três vezes ao dia para se alimentar e podem viver até 4 semanas na fase adulta.

Os insetos colocam seus ovos em qualquer matéria orgânica em decomposição, como fezes de animais, cama de frango, palha de café, resíduos de fabricação de celulose, resto de frutas, etc.

No extremo sul da Bahia, os impactos trazidos pela mosca acontecem durante todo o ano, mas é nos meses mais frios, entre junho e agosto, que os problemas são agravados com a colheita de café e o inicio do plantio de mamão, que utiliza cama de frango como substrato orgânico. Entre os prejuízos que as moscas podem causar aos animais de criação estão o stress, perda de peso, diminuição na produção de leite e transmissão de várias doenças.

Dicas para combater a mosca dos estábulos

Na palha de café: Queime a palha nas fornalhas durante a secagem do café.

Realize compostagem: Acumule pilhas de palha com no máximo 3m de largura e 1,5 m de altura, empilhe em camadas de 30cm, umedeça bem cada camada, revolva bem a pilha de material após 7 dias pela primeira vez, depois repita a operação a cada 15 dias até se completarem de 45 a 60 dias. Aplique o substrato tratado na lavoura formando camadas de no máximo 5 cm de altura.

Na cama de frango:

Realize a compostagem seguindo as orientações anteriores.

Aplique mosquecida ou cal virgem, cobrir com uma lona plástica, aguardar a ação do produto durante o período de 24 a 48 h e aplicar na lavoura em sulcos e cobrir 100% do material.